Direto de nosso blog

Precisamos ir além da Empatia

Publicado por: admin - Em: 27 de maio de 2021

Precisamos ir além da Empatia

Você já ouvir dizer que Empatia é sentir o que o outro sente?

Esta frase não define a totalidade do que é realmente a empatia. Podemos definir empatia de maneira mais completa assim como sentir o que outra pessoa está sentindo ou entender o que ela está pensando. Eu gosto de definir como um meio para compaixão, durante o texto você vai entender melhor porque digo isso.

A empatia é uma habilidade de fábrica, já nascemos com ela instalada, cientificamente o processo pode ser explicado pelos neurônios espelhos. Esses neurônios fazem nosso cérebro interpretar e reproduzir dentro dele mesmo tudo o que vemos no outro — ou que vemos acontecer com o outro. Por exemplo, imagina que uma discussão acabou de acontecer e você entra na sala, o clima, os aspectos, os comportamentos dos outros te atingem, é isso.

Mas não é apenas sobre sentir, podemos observar a empatia por duas perspectivas, primeiro a cognitiva: entender ou imaginar o que o outro está pensando e afetiva: compartilhar do mesmo sentimento que o outro.

Apenas entender o que o outro pensa, pode se tornar um gatilho de manipulação.

Já apenas sentir o que o outro está sentindo, pode não nos fazer bem.

Então cuidado, é necessário equilíbrio.

Como o título diz, precisamos ir além da empatia, não digo que ela não é importante, muito pelo contrário, acredito muito nela como uma habilidade a ser desenvolvida por nós diariamente, que nos ajuda a criar conexões mais profundas e verdadeiras.

Mas me diz uma coisa, nos dias que estamos vivendo, basta apenas entender as pessoas e sentir o que elas estão sentindo? Ou você acha que precisamos fazer algo a respeito?

Se você é visual como eu, esse gráfico vai te ajudar a entender.

Ele mostra o próximo passo, o que vem depois da Empatia. A compaixão. O mover.

Como diz Matthieu Ricard, “Quando o amor altruísta encontra o sofrimento do outro por meio da empatia, ele se torna compaixão.”

Quanto mais esforço gerado, mais compreensão e engajamento temos, tendo assim um movimento em direção ao outro, nesta etapa, entra a compaixão, o último grau de demonstração de amor.

É uma evolução que necessita do nosso esforço, é uma habilidade que temos que desenvolver para o próximo, não em uma busca de ser melhor que o outro, mas ser melhor para o outro.

um dos maiores exemplos que temos de compaixão no mundo, foi Jesus, olhe essa passagem do Novo Testamento, Evangelho de Mateus:

“… Jesus passou por todas as cidades e vilas da região. Ele ensinava nas sinagogas, onde o povo costumava se reunir, apresentando as notícias do reino, curando os doentes e restaurando vidas marcadas pelo sofrimento. Ver as multidões diante de si lhe fazia doer o coração (empatia , sentia o que eles sentiam). Teve compaixão (se moveu para ajudar) delas, porque estavam aflitas e desamparadas, como ovelhas sem pastor.” (Mateus 9:35–36)

A empatia foi o meio, ele sentiu, compreendeu, se engajou e agiu.

A Cooltivo nasce baseada no movimento da compaixão, entendemos que as empresas são formadas por pessoas, com capacidade empática e com desejo de fazer o bem. A sociedade, por seu lado, de pessoas com necessidades e problemas urgentes a serem resolvidos, é nessa intersecção que atuamos, engajando marcas e pessoas a causas em comum.

Acreditamos que fazer e falar é muito mais poderoso que mensagens vazias, acreditamos no papel da comunicação criativa e na colaboração para deixar uma transformação positiva na sociedade.

Isso não é apenas um texto, mas um convite, um convite a construirmos um mundo melhor juntos, vamos?

 

.

.

.

.

 

Conteúdos e Referências:

Curso de empatia (gratuito);

Este texto do que me ajudou na reflexão:

A Revolução da Empatia | Tati Fukamati

Reinventando os CEOs: o Diretor Executivo de Empatia | Greta Rossi

O Poder da Empatia (Animação RSA) — Dr Brené Brown:

Voltar